19.11.2017

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Terceirização: a maneira mais fácil de enganar os trabalhadores

* Célio Tavares


Novamente, os “nossos” deputados conseguiram dar mais um golpe nos trabalhadores brasileiros: desta vez, na CLT.


Apesar de antiga, em todo momento a Constituição de 88 é emendada por esses senhores somente para atender aos interesses de uma minoria dominadora e detentora da maior parte da riqueza do país. De maneira autoritária e truculenta, apresentam e aprovam uma reforma que acaba com os concursos públicos e com os direitos dos trabalhadores, pois colocam frente a frente uma concorrência desleal onde um vai trabalhar sob um regime e outro vai trabalhar no mesmo setor com direitos totalmente inferiores ao do seu colega: a tão famigerada terceirização. Depois de 19 (dezenove) anos engavetada, reaparece como se fosse uma solução para o problema do desemprego, que a cada dia só aumenta, pois vemos todos os dias filas e mais filas em agências de empregos e UAIs do nosso país.


Estamos vivendo um massacre desse Governo (por muitos considerado ilegítimo) e de sua tropa do colarinho branco, com a conivência inclusive dos homens da Capa Preta, que também não fazem nada para exigir que a nossa Constituição seja cumprida de fato e sem interpretações malditas. Com certeza, essa será só mais uma reforma que vem tentar acabar com os direitos dos trabalhadores e atingir também a organização sindical. Ela certamente vai enfraquecer a base principalmente dos servidores públicos das três esferas, esfacelando e criando mais categorias no conjunto de servidores estáveis e desvalorizar os trabalhadores sindicalistas perante a sociedade. É um pacote de maldades que o Governo TEMER vem fazendo com a população de modo geral, como é o caso da Reforma da Previdência que atinge em cheio todos os trabalhadores da rede privada e pública onde os trabalhadores só aposentariam com 49 anos de contribuição e 65 anos de idade.


Não podemos mais aceitar que um Congresso, onde a maioria está atolada no lamaçal da roubalheira e na sujeira da corrupção, continue causando um mal maior para todos os trabalhadores do nosso País. É inaceitável, também, um Governo golpista e ilegítimo (para muitos) continuar encaminhando projetos para atender aos interesses de banqueiros e empresários que só visam ao lucro!

* Célio Tavares é orientador sindical da Fesempre.


Federação Interestadual dos Servidores Públicos Municipais e Estaduais
Assessoria de Comunicação - (31) 3274-2427
Email: jornalismo@fesempre.org.br
Curta nossa fan page: facebook.com/fesempreoficial

  • Voltar

  •  

Parceiros
Rua da Bahia, 1148 - 16º andar - Centro - Belo Horizonte | MG - CEP 30160-906 - 31 32742427
©2010 | 2017 FESEMPRE. Todos os direitos reservados.