16.01.2018

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Desiderato republicano

Professor, apesar da comprida missão,  da pouca valorização, você se apresenta com a consciência tranqüila pela missão cumprida. Parabéns por ainda existir, apesar de...

 

Após 183 anos da 1ª Lei Geral da Educação Imperial ainda não se atingiu esse desiderato republicano: a educação de qualidade.

 

Em 15 de outubro de 1827 D. Pedro I outorgou o decreto imperial relativo ao Ensino Elementar, Escola de Primeiras Letras, com descentralização do ensino, remuneração dos professores e mestres, ensino mútuo ou método Lancaster, currículo mínimo, admissão de professores e  escolas de  meninas.

 

Nossa lei geral da educação republicana, a LDB-1996, persegue, ainda, os ideais imperiais adicionados com o imperativo constitucional do ensino obrigatório e gratuito, inclusive para todos os que não tiveram acesso na idade própria.

 

Continua sendo a remuneração dos professores o grande gargalo da política educacional, do Império à Nova República, de Dom Pedro I aos dias atuais.

 

O grande mérito do Imperador foi o de não se descuidar, pelo menos formalmente, dos salários dos professores, com atenção às circunstâncias da população e carestia dos lugares. Os professores  no século XXI recebem bem aquém dos parâmetros estabelecidos pela lei imperial no século XIX, pois falta vontade política.

 

Hoje, os milhares de professores leigos e algumas centenas com licenciaturas breves espalhados pelo Brasil fazem-nos lembrar da época imperial, com déficit de professores habilitados. Triste é a nação que não privilegia o ensino. Os docentes não têm muito a comemorar, porém continuam esperando que as condições sociais, políticas, econômicas e culturais lhe sejam favoráveis. A realidade é refletida na maneira de ser, de vê-la e nos relacionamentos com ela. O século atual tem alguns desafios intelectuais e éticos, dentre os quais a mudança de mentalidade, da forma pela qual a interpretamos, lemos e relacionamos com um mundo em constante mudança.

 

Cabe ao professor transmitir paixão e curiosidade para aprender. Educar é humanizar, é crer e confiar no ser humano e estar disposto a engrandecer em cada um de seus alunos o universo de suas potencialidades,a aumentar neles o potencial de inteligência, de sensibilidade, de solidariedade, de curiosidade e incerteza.É  a maior e talvez a mais importante célula da sociedade porque tem um sonho: o de tornar possíveis os sonhos do mundo, sedento por uma vida menos escura, mas cheia de luz.Um professor vê a vida nascer a cada  dia com novas perguntas, idéias, amizades.É um caçador de tesouros em tempo integral.Está nas mãos do professor o poder de educar para transformar a realidade educativa e ajudar  o ser  humano a ser mais humano, combatendo as desigualdades;  liberta no aluno seu sonho e sua ambição para não ficar no labirinto  enclausurado e ser arrastado pelas conjunturas e mensagens publicitárias que não são verdadeiras ou tão  importantes para a vida ou para o país. A felicidade pessoal e a profissional são dimensões inseparáveis em torno das quais gira o mestre, quer no ensino presencial ou à distância.  Nesta cidade moderna democrática da internet, onde o mestre continua a ser um obreiro do mundo por fazer, todo o desafio é mais um convite à luta, a possíveis novos sonhos e planos, a despeito de todas as dificuldades e obstáculos. É certo que as reivindicações, os protestos, as greves não foram em vão e, sim, servirão para a grande arrancada que o Brasil sofrerá  partir da valorização da educação  e do educador.

 

A educação só tem sido prioritária nos discursos, conforme se vê nas  mensagens televisivas, e se  constata nas pesquisas em orçamentos . O adequado financiamento da educação poderia melhorar a qualidade prevista no PDE (Plano de Desenvolvimento da Educação) e diminuir a insatisfação dos professores brasileiros com os salários (um dos piores da América do Sul, Ásia e norte da África), a escassez de recursos para pesquisas, para  cursos de qualificação e para os melhoramentos necessários das escolas. A  educação e as políticas sociais não podem ser lançadas à arena para lutarem e se devorarem entre si na luta pelas verbas.Para ser justo e assegurar qualidade (com escola inovadora que aproxime o aluno do mercado de trabalho, com matrizes curriculares promovendo flexibilidade, dinamismo e interdisciplinaridade necessários à formação acadêmica para atender às expectativas do mercado de trabalho e com professores com foco no mercado)  seria necessário dobrar o investimento público na Educação Básica e ampliar o investimento em educação pública.O financiamento, a vinculação do orçamento,  é primordial para conseguirmos o desiderato republicano: a educação de qualidade.

 

Silvério do Prado, 

Assessor Educacional da FESEMPRE

  • Voltar

  •  

Parceiros
Rua da Bahia, 1148 - 16º andar - Centro - Belo Horizonte | MG - CEP 30160-906 - 31 32742427
©2010 | 2017 FESEMPRE. Todos os direitos reservados.